Molhados

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Apenas por lembrar


E a minha paz é tão grande quanto o amor que te dei.

Tão grande quanto a certeza de que poderia ter sido diferente.

Desejei um mundo melhor. Pra mim e pra você.

Talvez tenha sussurrado. Não sei.

Mas soltamos nossas mãos.

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Prefiro amar mais

Quando amo sou invadida por uma alegria sem medida. Vivo cada segundo como se fosse o último. Última chance para amar. Última chance para usar o coração e bloquear a mente, tão cheia de razão. Amo mais ainda que em vão. Amo mais ainda que só. Amo mais ainda que não saiba o caminho que estou seguindo. Temo que as pessoas não sintam o mesmo, que prefiram morar numa concha. Temo não encontrar "coração na mão" como encontro quando me olho no espelho.
Prefiro amar mais. Prefiro cantar mais, rir mais, abraçar mais, conhecer mais, doar mais. Sendo assim, prefiro correr riscos demais. Todos os riscos que envolvem toda e qualquer relação. Sou fascinada por aquela coisa do apego, de não conseguir dormir, de não conseguir comer e pela capacidade que a gente assume para transformar garoa em vendaval. A vida é tão breve. Passar por aqui não é viver. Viver é assumir. Viver é se entregar. Prefiro amar mais mesmo tendo perdido inúmeras guerras contra o esquecimento. E aprendi que de fato, é uma missão imposível para quem ama "mais que tudo".
Ame. Doe. Viva.






quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Sorvete de banana e mais

"Sabores de sorvete servem para medir o grau de confiança em nós mesmos. Não. Esse não é mais um título de pesquisa sobre comportamento humano. É só uma descoberta. E enxerguem-se nela os que assim como eu, tomaram sorvete de chocolate uma vida inteira. O problema não é o sorvete de chocolate. Mas sim o mesmo sabor de sorvete sempre.
Pra disfarçar, creme ou morango. Mas em suma, nada de mudança. Nem pensar nos sorvetes de mamão, melão, milho, etc e etc. Muito menos no de banana, quando não se gosta de banana.
Claro que não precisa elaborar uma tabela e cruzar dados sobre todos os sorvetes que tomou. Basta puxar um pouquinho a memória e a gente se dá conta que assim como o sabor de sorvete, andamos com medo das mudanças. Experimentar o novo requer um longo exercício de desapego, quase impossível à primeira vista.
O título do post? Dias e dias para experimentar o tal sorvete de banana. O que no fundo eu sabia que era receio de trair minha tara por sorvete de chocolate.
Receio de não gostar. Receio de não conseguir tomar até o fim. E o pior: Medo de gostar.
Superando todas minhas expectativas (e alheias também), fechei os olhos e adeus ao sorvete de chocolate. Faz um bom tempo que percebi que me dou bem com mudanças quando dou às mesmas "Boas vindas", e então, a história do sorvete serviu para bater o martelo.

Experiências novas são sempre apostas certas.
Mude. De sabor,cor,cabelo,roupa,caminho...

Sorvete de banana e mais."

sábado, 9 de janeiro de 2010

Parafraseando II

Lendo uma reportagem alguém citou o escritor Franz Kafka: "De um certo ponto adiante não há mais retorno. Esse é o ponto que deve ser alcançado."

Mil coisas me vieram à mente. Caminhos que retornei e que na verdade não deveriam ter sido. E realmente o tal escritor tem razão. Chega um momento que não há volta. Pode haver perdas e tal, resultados fracassados. Mas é bem melhor do que abandonar a batalha. Bem melhor do que olhar pra trás e não seguir.
Anotei a tal frase e guardei comigo, aproveitando essa excitação de novo ano, será a frase do ano. A tese que embasará meus atos, planos e tal.

De um certo ponto, o melhor é olhar pra frente. É seguir com a certeza de realização, de prazer em caminhar, desbravar.

"...Sempre em frente. Não temos tempo a perder..."

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

2010 \o/

Não havia postado nada relacionado a "Feliz Ano Novo" e tal, e então já que assumidamente conto com a sorte (sempre), resolvi postar (vai que dá sorte!)...

"Decidi "brincar de ser feliz", como canta Camelo, e não poderia ter sido então, mais feliz. Crescer não deveria implicar fechar os lábios e fingir seriedade. Cresci e me tornei uma criança louca. Encaro tudo como se fosse uma comédia. Me importar com os outros me traz uma paz interminável.
Valeu 2009!Encerrado com aplausos, por toda felicidade, todas realizações, todos os fatos que valeram a pena.


Alguns fatos são certos que farão de 2010 um ano inesquecível. Ainda assim, o melhor é fechar os olhos, abrir os braços e desejar.

Desejar bem fundo toda paz, saúde, felicidade, sucesso, amor, grana, etc e etc.

Desejar tudo de melhor que pode acontecer, pra mim, pra todas as pessoas que amo, pra todas as pessoas que desejam uma vida melhor, uma vida boa.

Enfim, abro 2010 com o mesmo sorriso, mesma criança louca, brincando sério de ser feliz.

Feliz 2010! Boa sorte sempre!"

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Tudo o que temos...

Descalça, vestido de boneca, sandalhas na mão. Cores se confundem em seu rosto. Sim. Está ela vivendo mais uma de suas fantasias. Num mundo paralelo ao seu. Onde tudo é possível. Onde tudo é permitido. Até viver por alguém. Até morrer por alguém. Ensaia passos de dança. Ensaia truques de mágica. Tem o dom de entrar nos pensamentos alheios, de quem quer mais é esquecê-la. Bem. E ela nem se importa. Sabe que encontra na noite a porta de entrada para o céu. E o céu... É onde ela flutua.
Vai ver, fantasias são tão reais quanto tudo o que vê. Vai ver, fantasias são o esconderijo de tudo o que ela mais quer. Vai ver, ela sabe bem o que quer.
Desconhece a razão. Abre o coração. Invade vidas com a certeza de que não sairá nunca mais delas. E então quando todos pensam que ela habita num mundinho suspenso, ela sorri. Sorri para quem a subestima. Sorri para quem a ama.
Sim. Ela sabe a hora de voltar. Aí azar de quem fica pra trás. Azar daqueles nos quais desperta pensamentos.
Ensaia passos de dança. Ensaia truques de mágica. Sem esquecer que tudo o que temos... É o que podemos ver e tocar.