Molhados

sexta-feira, 26 de março de 2010

E ela...

...se descobre impaciente no momento em que se considerava a pessoa mais paciente que poderia existir. Fecha os olhos e vê o mundo girar numa velocidade absurda. E absurda é a idéia de mudar os planos. Como assim? E o chão sob seus pés?
Acorda com o sol na janela, hoje tudo vai mudar. Hoje vai crescer. Ao meio-dia começa a experimentar a sensação de que não é só estalar os dedos. Fica com preguiça de tentar. Deixa pra depois.

Afinal, como viviam os escritores à época do romantismo? Como foram compostas as mais belas canções de amor?

Melhor dormir. Sim. A tarde foi feita para dormir. Com pijama, edredom e meia-luz.
A tarde não tem pesadelos. Sonha com paz. Sonha com cores leves. Ao som das músicas preferidas.
Acorda. Tem planos pra depois. Mas melhor não. Já é tarde. Tem uma vida pra colocar no lugar. Outra pra desenhar. E a noite é o melhor cenário. É a melhor companhia.
Pensa no ontem, no agora e no que tem pra depois. Rabisca qualquer coisa. Separa caprichos de objetivos. Finge ter um plano. Talvez tenha um plano.
Precisa de alguém. Tem alguém. Que não é encantado nem tem um cavalo branco. Mas a faz rir. O que considera essencial para viver.
Pode ficar a noite e a madrugada toda acordada. Comendo chocolates e assistindo pela milésima vez as comédias românticas que adora. Que num dia fazem rir. Noutro fazem chorar.
Mas assim, longe do sono, tem consciência que esse mundinho ta por um fio. E isso, superando as expectativas alheias, a deixa feliz.
E ela ri de tudo. À espera de poder apertar o botão e detonar o quarto, a casa, a rua, a cidade.
Debaixo da cama tem um mapa, algumas moedas e uma mala.
Logo vai acordar com o sol na janela. Logo tudo vai mudar. Logo vai crescer.

Afinal, como viviam os escritores à época do romantismo? Como foram compostas as mais belas canções de amor?

Bem. Além de tantos sonhos guardados no bolso, ela espera por alguém que tenha a resposta.

8 comentários:

  1. Aiiin my dear, um dos meus melhores críticos, hehehe. Beeejo, "brigado". :)

    ResponderExcluir
  2. "Debaixo da cama tem um mapa, algumas moedas e uma mala."

    por que é tão dificil pegar tudo isso, e sair?
    sem se despedir, sair por ai, sem destino, apenas sair, andar, ir para algum lugar que ela sabe que nao vai deixa-la mais, ou menos feliz, mas que ela sabe que vai faze-la sentir saudade dos amigos, dos seus amores, e ela vai voltar,e vai contar como foi a viagem, e vai dizer a todos que os ama...

    OO'''

    tb adorei seu blog... to seguindo!!
    rsrsrs

    bjin's

    ResponderExcluir
  3. Crescer é um processo e, no início do texto, "ela" parecia pensar que tudo se mudava instantaneamente - "hoje tudo vai mudar". Repete a ideia no final - "logo tudo vai mudar".
    Porém, como intui que a coisa toda é um processo, conclui que deve esperar (por alguém que tenha a resposta).
    Para mim, particularmente, a resposta vem com o tempo e "ela" mesma a achará - com ou sem senso! ;)
    Boa postagem, beijos!

    ResponderExcluir
  4. "A tarde não tem pesadelos"

    mas eu adorei isso!! ^^
    ;*

    ResponderExcluir
  5. Nooossa, perfeito, todos os comentários, todas as reações e opiniões. Obrigada de verdade, sempre bem-vindos. Beeejos.

    ResponderExcluir
  6. Bem. Além de tantos sonhos guardados no bolso, ela espera por alguém que tenha a resposta.

    Eu também. rs

    ResponderExcluir
  7. Parece escrito sobre mim...

    tô gostando cada vez mais de mergulhar por aqui! :)

    ResponderExcluir