Molhados

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Longos minutos conversando sobre a história que não deu certo...


-Quanto tempo a gente não sentava para conversar... E você está tão fria.

-O tempo passa. Algumas coisas não.

-Falando assim, eu só posso pedir desculpas por todo mal que causei.

Pelas lágrimas e tudo mais.

-Sabe, depois de tanto tempo vejo o quanto você se esforçou para perder meu amor.

-E infelizmente eu fui burro o suficiente. E consegui isso.

-Infelizmente não.

sábado, 24 de abril de 2010

Merece ser lido de novo (Menos inverno)

Outro caminho que surge de repente já vem com a bagagem do novo. O novo traz medo, insegurança e o sabor amargo das incertezas. Acostuma-se a ganhar e não a perder. Disso a aversão ao desconhecido.
Todo começo de inverno traz momentos nos quais ficamos lá, inertes no sofá. Aos poucos o frio extremo vai passando, e a gente vai aprendendo outras formas de colocar o pezinho na rua e a se desfazer de alguns agasalhos.

Talvez o primeiro passo seja abrir a geladeira, colocar a mão na água gelada e permanecer alguns minutos sentindo muito frio.

Alguns minutos...
Não uma vida inteira.

O sol bate e o segundo passo é descobrir que a gente não morre de frio. E que assim é o novo.
Arte... Descobrir que não pode-se ganhar sempre mas que pode-se reagir sempre.
Pode-se não morrer de frio no inverno.
Buscar alternativas para a primavera chegar mais rápido e tornar o caminho novo um lugar habitável... Terceiro passo.
Sim. Virão muitas estações, mas aos poucos adquirimos outros dons para que fiquem para trás o medo e o anseio ao novo.

Formas automáticas de renovação espiritual? Também é arte.
Renove-se para o bem. Com o bem.

domingo, 18 de abril de 2010

- Alô...

- Oi.
- Oi. Como vai você?
- Tô bem. E você?
- Também estou bem.

E esquecem que bem, não é feliz.

quarta-feira, 14 de abril de 2010


Meu coração conta mentiras em dias de sol

e verdades em dias cinzas.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Especiais...

Aprendi e acredito que antes de nascer a gente escolhe as pessoas que estarão em nossa vida. Em algum momento pedimos e justificamos o motivo. Acredito que cada pessoa é uma oportunidade de evolução espiritual.
E acredito ainda que tudo na vida “se ajeita” de um modo especial.

Quando a gente acha que perde, a gente ganha.


Ganha pessoas tão especiais quanto seu riso. Tão importantes quanto sua presença. Tão essenciais quanto nosso ar.
Quando essas pessoas são ligadas a nós por laços de sangue significa que por algum motivo vamos amá-las muito mais. Serão muito mais especiais, importantes, essenciais...





P.S.: Esse é o segundo post escrito para alguém entre as pessoas mais especiais da minha vida. Esse é pro Ri (de Ricardo), meu primo que as circunstâncias da vida transformou em meu meio-irmão, ou irmão mesmo. Entrou na minha vida há 19 anos atrás. Então depois de tanto tempo acho que ele não se importa de eu ter pegado os pais dele emprestados.

Ri, “brigado” por tudo. Por ser tão especial. Por ser tão querido. E até mesmo por ser ás vezes tão chato. Chato no melhor sentido, claro.

É e sempre vai ser uma das pessoas que mais amo no mundo. Não esquece nunca que tu é muito especial pra mim e pra um monte de gente. Te amo. Pra sempre.

domingo, 11 de abril de 2010

Melhor beber algo.

Enquanto caminho ouço castanholas.
Vou em direção ao inexistente.
Onde minhas unhas vermelhas e meus cabelos pretos são
meu único disfarce.

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Pensava que era apenas coração.
É além. Há mais riscos então.
É inconsciente.
Insistir no que insisto.
Repetir o que repito.
Só me faz refém de mim mesma.

Meu coração e minha mente me boicotam.
Discutem e trocam de lugar.

terça-feira, 6 de abril de 2010

Final feliz?

Agora, de longe, vejo que nada era inédito.
Nem a música.
Nem a prova de amor.
Nem o amor.
Ainda assim a recordação é bela.
Ficou o encanto no peito.
A dança na alma.
O toque na pele.
O sorriso no rosto.
Como acordar de um sonho bom.

segunda-feira, 5 de abril de 2010

Lembranças boas...

Tão claras quanto intensas.
Tão gostosas quanto saudade aliviada.
Lembranças boas.
De risos. De músicas.
Do inverno. Do verão.
Lembranças boas.
Tão criança. Tão leve.
Brincadeiras, roupas, doces, dias coloridos.
Palavras soltas. Tão infância.
Lembranças boas.
Tão essenciais pra crescer em paz.
Lembranças boas. E eu tão feliz.

sábado, 3 de abril de 2010

Tão simples...

quanto desenhar um sorriso. Viver implica simplicidade.
Quando a gente menos espera o vento sopra na nuca.
E dizer sim é o melhor caminho.
Faça de conta que é o único caminho.

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Na verdade...

...eu quero todo mundo.
Não quero perder ninguém.
Sou uma espécie que voa, que corre.
Invento sentimento.
Sinto o que invento.
Sou figurante.
Sou protagonista.
Na verdade gosto de opções.
De cartas na manga.
De garoas e furacões.
Sou quem foge, quem volta.
Sou comédia, tragédia.
Invoco todo dia meu santo forte e
Escrevo o que não posso mais gritar.