Molhados

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Queridos seguidores, leitores e afins

Bem, devo pedir desculpas pela minha ausência em relação às escassas postagens e aos comentários que não retribuí nessa última semana. Lembram da prova que farei dia 28? Que citei no post lá em baixo sobre as tatuagens? Pois é, tá pertinho né? DOMINGO! Então nesses últimos dias fiquei sem tempo pra postar e visitar os blogs queridos que sempre estão aqui, com o maior respeito e carinho. Então por isso, achei que devia explicar minha ausência a vocês. Tô indo viajar amanhã pra tal prova e volto na terça-feira. Prometo que visitarei seus belos espaços e retribuirei o carinho. Beeejo,beeejo, até.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010


Às vezes me guardo, outras me gasto. Só pra conquistar de forma amarga o meu equilíbrio. Gosto de pensar que flutuo enquanto ando e imaginar que estou brincando no meio-fio, como criança que esquece o perigo.
Quando meus ossos doem de tanto querer, contraditoriamente meu coração bate mais forte. Estou viva.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Sentei na velha poltrona. Nas mãos, a xícara de chá e um caderno velho. Meus dias frios são sempre regados dessa incurável nostalgia que assola o corpo e a alma daqueles que não esquecem. E não esquecer e não curar tem sido tão ácido aqui dentro de mim. O caderno que de tão velho denuncia o tempo, conforta e alimenta as esperanças no amanhã. Entre um gole e outro do chá que lembra teu cheiro, fecho os olhos e respiro teu ar. E a paz que inunda meu ser só se assemelha às noites que escondida velei teu sono. À meia-luz teu rosto claro, teu riso que abria-se vez e outra e eu, que desejava profundamente estar nos teus sonhos bons.
Não sei se fico com as lembranças belas que essas palavras me trazem ou se tento encontrar nelas as respostas que não tivemos ao final. Tuas frases ainda estão aqui, tão certas, tão para sempre. E nesse caderno, tuas e minhas palavras se eternizam, muito mais que a intenção já perdida. Fica assim, nossa história sem fim, à espera de frases completas, à espera de um ponto qualquer.




"Um sentimento é feito chuva que cai sob a sua cabeça por onde você vai, é como um frio que vem de dentro quando a pele descobre que pele quer tocar..." Nila Branco / Todos menos eu

sábado, 13 de novembro de 2010

Ensaie seus passos de dança. Ensaie seus truques de mágica. Sem esquecer que você tem o que você pode ver e tocar.

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Tatuagem. E você? O que acha?

Como a idéia das letras de músicas foi bem aceita por vocês, o que me deixou muito feliz, ao invés de postar outra hoje, que era a idéia, resolvi fazer um post diferente. Quero saber a opinião de vocês, sobre algo que tá me torturando há algum tempo e principalmente nos últimos dias: Tatuagens. Sendo assim, digam, debatam e reflitam nos comentários que surgirem sobre o assunto. Antes que alguém pergunte o por quê e de onde tirei isso, vou explicar.
Ao entrar para a faculdade fiz minha primeira tatuagem, uma flor pequena, no ombro direito. Era algo que queria há muito tempo, mas tive que esperar completar 18 anos. A segunda, fiz no ante-braço esquerdo (que aparece na foto do perfil), demorei um tempão decidindo e criando algo legal, queria que simbolizasse uma fase boa, onde situações me fizeram acreditar em luz, em sorte e em qualquer coisa que exista, para nos proteger e iluminar. Tatuei então, a frase "Livrai-me de todo mal", com uma estrela, um trevo e uma pimenta. Isso, há dois anos atrás, na metade da faculdade. Quando os últimos semestres estavam se aproximando, como é normal, comecei a procurar as melhores opções de inserção na minha área (Serviço Social), e foi então que descobri que a Aeronáutica abre todo ano vagas para diversas profissões de nível superior, entre elas, para Assistentes Sociais. Nossa, minha alegria foi tanta, que queria fazer logo o concurso, mas ano passado não rolou, porque teria que ter meu diploma em mãos em maio de 2010, e eu teria em agosto. Bem, decidi então esperar até esse ano, com grande expectativa que abrisse novas vagas, e surpresa: abriu!
As inscrições foram em agosto, mesmo mês que me formei, e as provas objetivas ocorrem no próximo dia 28, daqui exatos 17 dias. Podem imaginar a ansiedade que dá não é? Uma vez que são 3 fases: Prova objetiva, psicológica e física e inspeção de saúde. Bem, minha ansiedade não é totalmente justificada somente pelo fato de ser um processo longo, que dura 10 meses, entre a inscrição e a última etapa. E sim, porque a Aeronáutica é a única das forças armadas que ainda reprova seus candidatos que possuem tatuagens. É claro que eu sabia disso desde quando descobri a seleção para especialidade de curso superior. Está lá no edital, e é dever de todo candidato ler e relê-lo. Existe todo um processo de avaliação em torno das tatuagens na Instituição, e alguns critérios, exemplo: Tem tatuagem? Não pode ficar visível em NENHUM dos uniformes, incluindo o de educação física. Fica visível? Eliminado.
Aí vocês devem estar se perguntando: Que guria louca. O que ela quer então? Respondo o seguinte, como já ouvi algumas pessoas que passaram nos últimos exames dizerem que viram sim, gente com tatoo lá dentro, resolvi arriscar. Aliás, não ia passar 20 anos da minha vida (o limite de idade é 43 anos), pensando como teria sido se tivesse tentado. E se não rolar, desencano e bola pra frente. Se rolar: OBA! É claro que meu caso é mais complicado pela tatoo do ante-braço.

Mas fico pensando, isso não é algo muito conservador para os dias atuais? A Marinha e o Exército já excluíram dos últimos exames a questão da tatuagem, desde que a mesma não ofenda os princípios da Instituição.

Lembrando que o concurso não é para oficiais de carreira, e sim, oficiais temporários. Caso passe, você serve a Aeronáutica por 8 anos, como 2º Tenente Temporário, exercendo a profissão a que se destina. É mais um fator que deveria contar contra a rigorosidade exigida.

E vocês? O que acham? Possuir tatuagem ou não medir 1.55m (altura exigida) vai diminuir tua competência profissional? Vai diminuir a bagagem de estudo que você adquiriu em 4 ou 5 anos de faculdade? Comentem!

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Twitter então!

Depois de alguns questionamentos sobre por que não me render ao twitter, venceram-me. Agora lá então!Sigam: @annagarriberri Beeejo,beeejo a todos!


segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Seeelo Novo!

Recebi esse selo da querida Cristiane do blog Meu Olhar Caleidoscópio, a quem agradeço de coração pela escolha do Molhe-se, entre tantos blogs. É um selo muito bonito, trocado entre blogs amigos. Eis as regras:

- Exibir a imagem do Selo no Blog

- Exibir o link do blog que o indicou

- Presentear 10, 15 ou 30 blogs e avisá-los.

PS: Quem não for muito fã de cumprir as regrinhas, leve-o assim mesmo, é um presentinho de coração para os blogs que sigo e visito. Como sempre falo, é muito difícil escolher os blogs para indicar os selos, então, tentei indicar aqueles que frequentemente estão por aqui e que retribuem o carinho que tenho por seus espaços.

São eles:

Faces do Poeta da Ira Buscacio

Viver é crônico do Rob Novak

Sob Zero Grau do Signo de Libra do Franck

Jornal Afogando o Ganso do Guará Matos

Desinformação Seletiva da querida Anga Mazle e dos seus amigos Tuca Zamagna, Teophanio Lambroso e Elza Magna

Essas e Outras Reticências do Sr. Reticente

Recomeçar da Zil Mar

Ventos na Primavera do Arnoldo Pimentel

Confissões de uma borboleta da Karla Dias

À querida Sam pelos seus blogs: SAM e Desnuda

A luz aflora onde nenhum sol brilha do Leo

Apenas um Cadinho de Poesia da Malu

Tudo é silêncio da Noyara

Asas Vadias da Sabiana

Por um mundo mais colorido da Jehnny

Ad litteran da Zélia Guardiano

Retribuindo o carinho e reconhecimento, pela presença sempre adorável, indico o selo também à Cristiane.

sexta-feira, 5 de novembro de 2010



Teu medo de ter medo paralisou teus gestos
e então nem viu meus braços abertos.
Eu era tua sorte. Teu amuleto. Teu santo forte.
Talvez nem volte.
Mas também não quero ser a dona dos teus dias tristes e cinzas.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Fato

Faço uma força enorme para andar em linha reta. E depois de alguns passos, lá estou de novo, virando as esquinas que finjo ter teu nome. É como se soubesse no fundo, que enganamos a nós mesmos, com essa nossa mania de acertar sempre. Não somos mesmo querido, as pessoas certas para nós. Mas quem disse que vive-se só de acertos? Se as esquinas continuarão tendo teu nome, não sei. Sei apenas que somos nossos melhores erros.