Molhados

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Se eu fechar os olhos e imaginar meu espírito caminhando na minha frente, verei uma guria ainda pequena. Vestindo vestido e all star, dançando e cantando uma música qualquer. Sorrindo para o sol e observando tudo ao redor. Se eu deixar ela correr, não demora muito e ela volta pra perto. Com um sorriso bobo disfarçando o medo e a curiosidade por passos largos. Então eu a abraço e a conforto. A cumplicidade que existe revela que só nós duas sabemos o que já passamos. Sabemos dos tropeços, dos vendavais, das noites escuras que pareciam não ter fim. E por essas pedras no caminho a protegi mais que tudo. Talvez eu tenha errado em a acostumar com essa proteção. Talvez eu tenha cuidado demais para que seu coração não fosse quebrado muitas vezes. Talvez eu tenha evitado lágrimas que seriam necessárias. Nesses anos deixei que ela corresse solta, sem medo, com a condição de voltar em segurança. Então crescer passou a ser um plano a longo prazo, não uma exigência imediata.  Mas os ventos mudam a direção e a nossa também.
Chega a hora em que é preciso abrir os olhos e caminhar junto com nosso espírito, seja lá a idade que ele tenha, a bagagem que carrega. Chega a hora do encontro com nós mesmos. Juntar a alegria de viver que mora em nós com a força e fé que nos protege. É hora de correr em frente, de mãos dadas. É hora de crescer junto e não temer os caminhos que surgem. 
 

11 comentários:

  1. Boa noite, andar de maos dadas comigo mesmo, é o que mais almejo...mas tentar crescer sem medo, fica complicado a cada dia...pois ao perceber que eu estou crescendo, fico fragil e quase enlouqueço...Deixarei minha menina ainda aqui do meu lado...e deixarei que viva assim, menina, por mais algum tempo!

    ResponderExcluir
  2. "E por essas pedras no caminho a protegi mais que tudo. Talvez eu tenha errado em a acostumar com essa proteção. Talvez eu tenha cuidado demais para que seu coração não fosse quebrado muitas vezes. Talvez eu tenha evitado lágrimas que seriam necessárias."
    Realmente! Quem nos conhece de verdade, em cada detalhe, somos nós mesmos. Sabemos tudo que tivemos de enfrentar para estar aonde estamos. Se valeu a pena ou não, o importante é que não deixamos de caminhar. O importante é seguir enfrente. Fico feliz que tenha chegado a sua hora, a "hora de crescer junto e não temer os caminhos que surgem". Adorei o texto, grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom seu texto. No começo são muitos sonhos, estradas abertas, mas a vida mas nos mostrando que os sonhos devem caminhar junto com a realidade, assim nenhum dos dois se perde.Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom o seu texto, gostei muito ^^
    as vezes ser cuidadoso demais com nós mesmos não é a coisa certa a se fazer, caminhar livre as vezes é a melhor escolha.

    bjus =*

    ResponderExcluir
  5. Ei Ana! Como é bom vê-la novamente por aqui e lá no Memórias. Vc faz muita falta e não devia sumir por tanto tempo. Mas, quando volta é sempre uma festa de sensibilidade que nos toca profundamente o coração. Discernimento é a palavra que me ocorre lendo o seu post. Sim, discernir entre a criança que não devemos deixar de ser e o adulto que somos. Não é tarefa fácil, hein?! Mas sua reflexão foi brilhante, adorei. Beijocas!!!

    ResponderExcluir
  6. é hora de viver, aproveitar, arriscar e buscar o que nos faz feliz... vamos viver o hoje!
    beijos

    ResponderExcluir
  7. Querida Ana,

    Um excelente texto! Como é bom amadurecer nesta consciência gostosa da vida!

    Beijos com carinho.

    ResponderExcluir
  8. "A virtude, o estudo e a alegria são três irmãos que não devem viver separados." (Voltaire)

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Simbora se atirar nesta estrada e viver todos os desafios que ele oferecer!!! Tchau!

    ResponderExcluir
  10. Amei seu texto.. E agora é hora de se permitir! Se cuida!

    ResponderExcluir