Molhados

terça-feira, 23 de agosto de 2011

A justificativa para ultrapassar o limite entre o certo e errado está no momento
em que se perde a razão e o sorriso de abre.
 
 
 
"...O meu corpo não quer descansar
Não há guarda-chuva (não há guarda-chuva)
Contra o amor...
O teu perfume quer me envenenar
Minha mente gira como um ventilador..." 
                                                                        (Titãs - Nem 5 minutos guardados)