Molhados

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Às vezes me guardo, outras me gasto. Só pra conquistar de forma amarga o meu equilíbrio. Gosto de pensar que flutuo enquanto ando e imaginar que estou brincando no meio-fio, como criança que esquece o perigo.
Quando meus ossos doem de tanto querer, contraditoriamente meu coração bate mais forte. Estou viva. 



9 comentários:

  1. é lindo sabermos que estamos vivos por dentro, e demonstrar por fora a vivacidade do ser...

    lindo beijos

    ResponderExcluir
  2. Por isso e por muitas outras coisas, sabemos que vivemos. Obrigada, Senhor!

    Beijos linda :*

    ResponderExcluir
  3. Sempre belos e profundos seu textos, beijos.

    ResponderExcluir
  4. Tenho me sentido assim: VIVA!

    =**

    Saudades!

    ResponderExcluir
  5. Hmmmnnn tão forte e tão gostoso de ler!

    ResponderExcluir
  6. Querida Ana,

    Suas palavras tem uma força boa e bonita na imagem que produz! Adorei!

    Beijos com carinho

    ResponderExcluir
  7. Mais um pequeno presente de sensibilidade que você dá pra gente, Ana. Bigaduuuu. :-)

    Agradeço a visita no Nerdices do Lonx e te convido a visitar o outro blog, que tem a proposta de trazer coisas que estão zanzando pela minha alma: http://gavetasdaalmabrisaseventos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. que texto lindo... estava com saudadess!!!
    obrigada pela visita!!! beijosss

    ResponderExcluir