Molhados

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Vai.
Se acostumar com o que não é mais teu. 
Velar o sono que não sonha mais contigo. 
Sorrir para os lábios que já não se abrem.
Vai.
Proteger o que não te faz mais abrigo.
Correr ao encontro do que caminha na direção contrária.
  Segurar as mãos que há tempos se soltaram das tuas.
Vai.
Ver de perto o que restou de dois mundos que já foi um só.
Esgotar todas as tuas forças contra a inércia anunciada.
Jogar a prorrogação de um jogo perdido.
Vai.
Adoça a boca prevendo o amargo.
Doa. Abraça. Acalma. Ama.
Vai.
Fui.

7 comentários:

  1. Pode deixar que minhas férias são contadinhas, em março estarei de volta!!!! Mas isso não significa que deixarei de aparecer por aqui...

    Bom recomeço, indo!!!

    Beijo grande!

    ResponderExcluir
  2. Ana,

    Menor o pensar,
    Maior o gozar.

    Menor o pesar,
    Maior o amar.

    ResponderExcluir
  3. "Adoça a boca prevendo o amargo.
    Doa. Abraça. Acalma. Ama.
    Vai".
    Sensacional Ana, lindos textos como estes me fazem pensar que eu tenho que Ir pra esse lugar, e logo.

    ResponderExcluir
  4. É Ana, sábias palavras.
    Estou numa dúvida de ir...

    ResponderExcluir
  5. muitas vezes o melhor é ir, sem olhar pra traz....
    beijos e boa semana!

    ResponderExcluir
  6. Ana:

    Quanta beleza e força nestas palavras. Lindo texto.
    Beijoooos e sds de ve-la no Lua hein sumidona..rs.

    ResponderExcluir
  7. `proteger o que não te faz mais abrigo`
    Lindo, verdadeiro. Quase sempre é assim, né?
    Gostei dos contrastes!

    ResponderExcluir